Rezum: por que é um dos melhores tratamentos actuais para a Hiperplasia Benigna da Próstata?

Mais de metade dos homens com idade acima dos 50 anos têm sintomas de Hiperplasia Benigna da Próstata. 

Ainda que a patologia apenas em fase avançada coloque em risco a vida dos pacientes, tem efeitos muito limitantes na sua qualidade de vida mesmo em fases precoces..

Encontrar técnicas que sejam, simultaneamente, inovadoras, eficazes e pouco invasivas, é um objectivo fundamental e uma mais valia na preservação de um bom estado de saúde e na eliminação da sintomatologia típica.

De entre as escolhas possíveis, a técnica Rezum é, actualmente, uma das mais promissoras e relevantes.

 

7 razões que fazem do Rezum um método de sucesso

Apesar de relativamente recente, esta é uma abordagem terapêutica com claros benefícios, contribuindo para que se diferencie face aos restantes procedimentos mais clássicos.

Vejamos quais são os seus pontos fortes.

7 Razoes Rezum Metodo Sucesso

1. É uma técnica minimamente invasiva

Não sendo um processo cirúrgico, a aplicação da técnica Rezum não recorre a incisões, fazendo dela um método menos agressivo.

De forma simplificada, baseia-se na destruição da parte da próstata que sofreu um aumento (por proliferação celular descontrolada) e que causa os sintomas típicos de Hiperplasia Benigna da Próstata (HBP).

Como decorre este procedimento? 

Através de um gerador de radiofrequência, uma quantidade controlada de água é convertida em vapor, resultando em energia térmica. 

Depois, com a ajuda de um dispositivo introduzido na uretra, essa energia é distribuída em doses controladas e direccionadas para as membranas das células do tecido em excesso - desencadeando a sua necrose e posterior eliminação.

Todo o procedimento é visualizado e controlado graças a uma lente telescópica incorporada no dispositivo que distribui o vapor.

 

2. Substitui outros métodos e os seus efeitos secundários

Geralmente, todos os tratamentos para a HBP apresentam alguns efeitos secundários (excepto, claro, a vigilância activa - em português mais correctamente designada por espera vigilante - praticada nos casos menos graves).

O Rezum permite alcançar o mesmo efeito (eliminar a parte da próstata em excesso e reduzir sintomas), sem a maioria destas consequências.

O uso de medicação, por exemplo, para além de exigir a toma diária de fármacos para manter os resultados, é uma das terapêuticas com mais efeitos secundários, como por exemplo quadros de hipotensão, astenia, redução da líbido, disfunção eréctil e complicações no processo de ejaculação.

Além disso, existe a possibilidade de, com o passar do tempo, os medicamentos deixarem de produzir as melhorias sentidas inicialmente.

De igual forma, os procedimentos cirúrgicos podem causar efeitos secundários na função sexual (como a perda da ejaculação) e ainda causar complicações como apertos (estenoses) da uretra, infecção,, hemorragia ou até incontinência urinária.

 

3. Preserva a função sexual

A disfunção sexual é um dos efeitos mais temidos associados aos tratamentos para a próstata aumentada, principalmente, para os pacientes sexualmente activos.

A maior parte dos procedimentos pode prejudicar a função sexual. O mesmo não acontece com o Rezum. Até à data, é o tratamento que menos casos de disfunção sexual provoca, como foi demonstrado nos pacientes analisados em inúmeros estudos.

 

4. Tem resultados satisfatórios e duradouros

Os bons resultados são umas das razões que fazem do Rezum uma técnica promissora, que se conseguiu impor por entre outras técnicas - aparentemente vantajosas, como a embolização prostática ou a Ablação Trans-uretral por Agulhas, mas cujos resultados não são duradouros.  

Apesar de, depois do tratamento, os sintomas parecerem manter-se ou mesmo agravar-se durante algum tempo, por causa do edema causado pelo tratamento, as melhorias clínicas ocorrem logo após o primeiro mês (e de forma mais evidente após as 6-8 semanas), com o alívio a prolongar-se e a manter-se ao longo dos anos. Constatou-se em diversos estudos que, 5 anos após o tratamento, 95% dos doentes que efectuaram a técnica de Rezum não precisaram de outros tratamentos.

Assim, depois do tratamento com a técnica Rezum, são identificadas melhorias nos seguintes indicadores:

Contudo, cada caso é um caso, pelo que a evolução dos resultados depende da resposta de cada paciente ao tratamento.

 

5. Não requer hospitalização

Este método é realizado em ambulatório, com recurso a uma anestesia local ou sedação, pelo que não exige tempo de internamento. O paciente tem alta no mesmo dia. 

Trata-se de um procedimento rápido e simples, com a aplicação de 2 a 7 injecções durante poucos segundos em cada zona, sendo realizado uma só vez.

Isto significa que pode retomar a sua vida normal em poucos dias.

 

6. É um método seguro

Com a energia térmica a ser aplicada de forma direccionada, é possível preservar o tecido ao redor da área tratada.

Além disso, o dispositivo incorpora alguns mecanismos e recursos de segurança, que protegem a uretra de sofrer superaquecimento.

A sua segurança é aprovada pela Food and Drugs Administration desde 2015.

 

7. Tem poucas restrições anatómicas

Ainda que, normalmente, o Rezum não seja indicado para próstatas muito grandes, não existem grandes restrições anatómicas. Isto significa que consegue tratar várias morfologias da próstata.

 

Informe-se sobre o Rezum junto de um médico especialista

Ainda que o método terapêutico Rezum seja especialmente vantajoso, é fundamental que sejam realizados alguns testes de diagnóstico, a fim de certificar que conseguirá alcançar os resultados desejados.

Além do mais, é fundamental que seja efectuado por uma equipa médica experiente. 

O Instituto da Próstata está apto a aplicar o procedimento, dado que é um dos primeiros centros nacionais a disponibilizar esta opção terapêutica.

Dr. José Santos Dias

Director Clínico do Instituto da Próstata

  • Licenciado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa
  • Especialista em Urologia
  • Fellow do European Board of Urology
  • Autor dos livros "Tudo o que sempre quis saber Sobre Próstata", "Urologia fundamental na Prática Clínica", "Urologia em 10 minutos", "Casos Clínicos de Urologia" e "Protocolos de Urgência em Urologia"

Artigos Relacionados

Recidiva do Cancro do Rim: é comum?

É normal sentir alívio ao terminar o tratamento para um cancro no rim. Ainda assim, é igualmente natural preocupar-se com a hipótese de o problema poder voltar. Ninguém quer passar pelo mesmo processo outra vez e voltar a experimentar sentimentos de...

Biópsia de Fusão no Diagnóstico do Cancro da Próstata

Sendo o cancro da próstata uma das neoplasias malignas mais comuns nos homens, é primordial encontrar métodos que permitam diagnosticar o problema com cada vez mais eficiência. A evolução das técnicas e estratégias de...

Crioterapia para o tratamento da Recidiva do Cancro da Próstata

Receber um diagnóstico de cancro da próstata pela primeira vez não é fácil. Afinal, é uma patologia séria, capaz de abalar emocionalmente qualquer pessoa. Infelizmente, mesmo após um primeiro tratamento, o pesadelo pode voltar,...

Pedido de Marcação de Consulta