Pedras nos Rins: o que são, quais os sintomas e tratamentos

As pedras nos rins são uma patologia muito frequente do aparelho urinário, conhecida pelas dores incapacitantes que provoca.

Conhecer os sintomas e controlá-los atentamente é importante, para que seja possível encontrar uma estratégia terapêutica adequada.

Afinal, é através do tratamento que pode recuperar o bem-estar geral, afectado pela presença desta patologia.

Vamos então descobrir quais os métodos mais eficazes para eliminar as pedras nos rins.

Pedras Nos Rins

O que são Pedras nos Rins e por que razão se formam?

São formações duras (daí o termo utilizado, “pedras”) resultantes da agregação de minerais e sais presentes na urina.

Na verdade, a designação técnica correcta é de cálculos renais. A existência de cálculos renais origina um quadro conhecido como Litíase Renal.

Ainda que se formem nos rins, os calculos podem deslocar-se para outra parte do aparelho urinário, nomeadamente ureteres e bexiga.

Podem apresentar diferentes composições bioquímicas, que os distinguem: cálcio (como o oxalato de cálcio, o mais comum ou fosfato de cálcio, por exemplo), ácido úrico, estruvite e cistina, entre outros.

Nem sempre é possível identificar a causa do problema, mas existem alguns factores de risco relacionados com pedras nos rins que parecem aumentar a probabilidade da sua ocorrência, tais como:

  • História familiar de litíase urinária;
  • Ingestão de líquidos insuficiente;
  • Dietas pouco saudáveis (principalmente ricas em sal, açúcar e proteína);
  • Obesidade;
  • Baixo débito urinário;
  • Patologias em certas glândulas ou nos rins;
  • Determinados medicamentos e suplementos;
  • Baixa concentração urinária de elementos protectores como o citrato ou magnésio (que ajudam a inibir a formação de cálculos).

 

Como se manifestam?

Quando estão alojados nos rins, os cálculos renais podem não provocar sintomas.

Contudo, se se deslocarem ao longo do aparelho urinário, surge o primeiro sinal de alarme – uma dor súbita e de grande intensidade, geralmente perto da região do flanco ou lombar, podendo irradiar para o abdómen ou para outras zonas, como a virilha.

Conhecida como cólica renal, esta dor é extremamente incapacitante, não tendo qualquer posição de alívio. É uma das dores mais intensas que o ser humano pode experimentar.

Estes cálculos podem ainda estar na origem da outra sintomatologia:

Como Se Manifestam Pedras Nos Rins

  • Náuseas e vómitos;
  • Aumento da frequência miccional, ardor ao urinar ou vontade súbita (principalmente quando o cálculo se encontra perto da bexiga);
  • Urina com sangue (hematúria);
  • Febre (que é geralmente um indicador de infecção).

 

Incidência da Litíase Renal

Estima-se que esta patologia afecte entre 2 a 3% da população mundial, predominantemente homens caucasianos.

A probabilidade de ter um episódio de cólica renal, nos doentes com cálculos, até aos 45 anos, ronda os 9%.

 

Como tratar as Pedras nos Rins

A base do tratamento correcto é a realização de um diagnóstico preciso, pois o tratamento depende de informações como a localização e a dimensão do cálculo renal.

Assim, é necessário conhecer a história clínica, fazer um exame objectivo e recorrer a alguns exames complementares, nomeadamente de imagem.

Esta avaliação é fundamental porque existem outras doenças com sintomatologia semelhante, sendo fundamental excluí-las.

 

Quais as opções?

Na fase aguda da doença, em que a dor é intensa, se houver indícios de infecção/obstrução pode ser preciso realizar uma cirurgia de urgência.

O objectivo é a eliminação dos cálculos e, para isso, podem ser seguidas diversas estratégias.

Quando o cálculo é pequeno e a dor tolerável/controlável, é possível esperar que o mesmo seja eliminado espontaneamente através da uretra. Podem ser utilizados diversos medicamentos, quer para controlar a dor, quer para facilitar a eliminação do cálculo.

Quando as dimensões são maiores ou o cálculo se encontra mais perto dos rins e não progride ao longo do ureter, é necessário recorrer a outros métodos - nomeadamente  cirúrgicos, ainda que minimamente invasivos.

Uma das opções é a realização de Litrotícia Extracorporal por Ondas de Choque (LEOC), que promove a fragmentação dos cálculos, que depois são eliminados naturalmente. Apesar de eficiente, apresenta algumas contra-indicações, limitando a sua realização.

Outro método, usado na maioria dos casos, é a Cirurgia Endoscópica, que consiste na ureterorrenoscopia ou na cirurgia intra-renal retrógrada. 

Através de um ureteroscópio, semi-rígido ou flexível, que é inserido na uretra e bexiga, acede-se ao ureter e procede-se à fragmentação dos cálculos ureterais/renais com um laser conduzido por uma fibra óptica e à remoção utilizando instrumentos cirúrgicos.

Estes procedimentos são extremamente precisos e controlados, graças à utilização de vídeo-cirurgia, com uma câmera incluída ou acoplada ao ureteroscópio.

Os procedimento endoscópios podem variar consoante o tipo de cálculo:

  • No interior do rim: com ureterorrenoscópio flexível, por onde passam a fibra do laser e instrumentos de muito pequenas dimensões (“cestos” ou pinças, por exemplo), para retirada dos cálculos;
  • No ureter: com ureteroscópio semi-rígido, com o mesmo tipo de instrumentos, ainda que de maiores dimensões;
  • Nefrolitotomia Percutânea: em alguns casos, nomeadamente para cálculos muito grandes, que não conseguem ser retirados com os equipamentos e instrumentos acima referidos, realiza-se a punção do rim a partir da pele da zona lombar para introduzir dispositivos que fragmentam e retiram os cálculos.

 

Quais o resultados?

A Cirurgia Endoscópica é um método muito eficiente, com grandes taxas de sucesso.

Contudo, é importante não esquecer que a Litíase Renal é uma doença com tendência para recidivar.

Assim, é importante apostar na prevenção da formação de novas pedras, através da alteração de alguns hábitos como:

  • Aumentar a ingestão de líquidos;
  • Melhorar hábitos alimentares;
  • Monitorizar cor da urina (a urina de cor clara, quase transparente, é sinal que está diluída e que a probabilidade de formar novos cálculos é menor).

 

Aposte no Tratamento – não coloque a sua Saúde em risco

Sabia que 50% dos dos doentes não tratados voltam a desenvolver pedras nos rins no espaço de 5 anos?

Importante: se esta condição for reconhecida e tratada em tempo útil, é provável que não cause danos permanentes.

Considere o tratamento caso reconheça algum sintoma das pedras nos rins. Peça ajuda a profissionais, como os do Instituto da Próstata, e melhore  sua qualidade de vida e o seu bem-estar.

Dr. José Santos Dias

Director Clínico do Instituto da Próstata

  • Licenciado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa
  • Especialista em Urologia
  • Fellow do European Board of Urology
  • Autor dos livros "Tudo o que sempre quis saber Sobre Próstata", "Urologia fundamental na Prática Clínica", "Urologia em 10 minutos", "Casos Clínicos de Urologia" e "Protocolos de Urgência em Urologia"

Artigos Relacionados

Dr. José Santos Dias no XVI Simpósio da Associação Portuguesa de Urologia

O Dr. José Santos Dias, Director Clínico do Instituto da Próstata, foi um dos oradores do XVI Simpósio da Associação Portuguesa de Urologia (APU), que decorreu no dia 10 de Outubro de 2020, em Lisboa, Porto e Coimbra. Este evento, com...

Cancro da Próstata: Braquiterapia é das técnicas com menos efeitos colaterais

A possibilidade de surgirem efeitos colaterais é uma das preocupações mais recorrentes quanto aos tratamentos do cancro prostático. O cenário ideal é eliminar o tumor e melhorar a qualidade de vida dos pacientes, não tendo de lidar com...

Os Tratamentos mais eficazes para homens com Próstata Aumentada

As opções terapêuticas para a próstata aumentada, ou Hiperplasia Benigna da Próstata, são uma forma de acabar com a sintomatologia típica e incomodativa. Hoje em dia existe uma vasta gama de opções para o tratamento deste...

Pedido de Marcação de Consulta