Estadiamento do Cancro da Próstata

Quando se diagnostica um cancro da próstata, a primeira coisa a fazer é determinar, com a avaliação clínica e o auxílio de exames complementares, se este se encontra ainda localizado na próstata ou se já não está confinado apenas a este orgão.

Para o correcto estadiamento do tumor e determinação das suas características relevantes, elementos que irão condicionar toda a estratégia de tratamento, o prognóstico da situação e o consequente seguimento (“follow-up”), é fundamental dispôr das informações do toque rectal, do PSA e do tipo histológico do tumor (ver “Classificação de Gleason: o que é?”). Além destes elementos, poderão ser necessários outros exames para um mais correcto estadiamento, nomeadamente exames de imagem. O seu médico Urologista poderá (ou, em alguns casos, deverá) solicitar-lhe exames adicionais, além da ecografia trans-rectal – exame que já deverá, obviamente, ter sido realizado, pelo menos na altura da realização da biópsia que, actualmente, deverá ser sempre efectuada sob controlo ecográfico, por via trans-rectal. Em muitos casos é necessária a realização de uma Ressonância Magnética Nuclear (RMN) pélvica e/ou abdominal e/ou de uma Cintigrafia Óssea. Em alguns casos, menos frequentemente, para melhor caracterização da situação clínica, poderá estar indicada a realização de ecografia ou TAC abdominal, de radiografia óssea, de radiografia ou TAC torácica ou, já muito menos frequentemente, de exames para avaliar outras zonas do corpo. Actualmente o estadiamento do cancro da próstata (como da maioria dos tumores) faz-se de acordo com a classificação TNM, que é a classificação internacionalmente mais aceite. Neste sistema de classificação de tumores, as letras da sigla TNM representam T – Tumour (em português tumor), N – Node (gânglio) e M – Metastasis (Metástases). Assim, temos a informação relativa ao tumor no local ou orgão onde se situa (T0 a T4), aos gânglios eventualmente envolvidos (N0 ou N1) e à presença ou não de metástases (M0 a M1). Existem ainda sub-divisões destas classes (por exemplo, T1 a, b ou c; M 1 a, b, ou c). Pode ainda utilizar-se a letra “X” quando não se possui informação relativa a um destes elementos (por ex. Mx, quando se desconhece se há metástases à distância). Outros sistemas de estadiamento, anteriormente utilizados, dividiam esta doença em 4 estádios, A, B, C e D ou I, II, III, IV, em que os estádios A e I correspondiam os grupos de tumor localizado e prognóstico mais favorável e os grupos D ou IV aos casos de doença mais avançada e pior prognóstico. Em função do estadiamento, assim serão determinadas as formas de tratamento que se podem aplicar no caso específico de cada doente (ver “Tratamento do Cancro da Próstata”). (Urology - PartinTables)

Classificação TNM para o Estadiamento do Cancro da Próstata

TX – Tumor primário não acessível

T0 – Sem evidência de tumor primário

T1 – Tumor clinicamente inaparente (não palpável nem visualizável por imagiologia)

T1a – Tumor incidental (Achado histológico em ≤ 5% do tecido ressecado cirurgicamente)

T1b – Tumor incidental (Achado histológico em > 5% do tecido ressecado cirurgicamente)

T1c – Tumor identificado por biópsia (por exemplo, por PSA elevado)

T2 – Tumor confinado à prostate

T2a – Tumor envolve ≤ metade de um lobo

T2b – Tumor envolve > metade de um lobo mas não os dois lobos

T2c – Tumor envolve os dois lobos

T3 – Tumor ultrapassa a cápsula da próstata

T3a – Extensão extracapsular (unilateral ou bilateral)

T3b – Tumor invade vesícula(s) seminal(is)

T4 – Tumor fixo ou invadindo estruturas adjacentes que não as vesículas seminais, como o esfíncter externo, o recto, a bexiga, os músculos elevadores e/ou a parede pélvica

NX – Gânglios linfáticos regionais não avaliados

N0 – Sem metástases ganglionares

N1 – Metástases em gânglios linfáticos regionais

M0 – Sem metástases à distância

M1 – Metástases à distância

M1a – Metástases em gânglios linfáticos não-regionais

M1b – Metástases ósseas

M1c – Metástases noutros orgãos, com ou sem metástases ósseas

Dr. José Santos Dias

Director Clínico do Instituto da Próstata

  • Licenciado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa
  • Especialista em Urologia
  • Fellow do European Board of Urology
  • Autor dos livros "Tudo o que sempre quis saber Sobre Próstata", "Urologia fundamental na Prática Clínica", "Urologia em 10 minutos", "Casos Clínicos de Urologia" e "Protocolos de Urgência em Urologia"

Artigos Relacionados

Dr. José Santos Dias no XVI Simpósio da Associação Portuguesa de Urologia

O Dr. José Santos Dias, Director Clínico do Instituto da Próstata, foi um dos oradores do XVI Simpósio da Associação Portuguesa de Urologia (APU), que decorreu no dia 10 de Outubro de 2020, em Lisboa, Porto e Coimbra. Este evento, com...

Cancro da Próstata: Braquiterapia é das técnicas com menos efeitos colaterais

A possibilidade de surgirem efeitos colaterais é uma das preocupações mais recorrentes quanto aos tratamentos do cancro prostático. O cenário ideal é eliminar o tumor e melhorar a qualidade de vida dos pacientes, não tendo de lidar com...

Os Tratamentos mais eficazes para homens com Próstata Aumentada

As opções terapêuticas para a próstata aumentada, ou Hiperplasia Benigna da Próstata, são uma forma de acabar com a sintomatologia típica e incomodativa. Hoje em dia existe uma vasta gama de opções para o tratamento deste...

Pedido de Marcação de Consulta