Biópsia de Fusão no Diagnóstico do Cancro da Próstata

Sendo o cancro da próstata uma das neoplasias malignas mais comuns nos homens, é primordial encontrar métodos que permitam diagnosticar o problema com cada vez mais eficiência.

A evolução das técnicas e estratégias de diagnóstico levou ao desenvolvimento da Biópsia Prostática de Fusão, um procedimento recente e inovador, significativamente mais eficaz que a biópsia clássica.

Assim, quer esteja à procura de soluções para diagnosticar o seu caso clínico, quer esteja à procura de razões que certifiquem que este é o método certo, vai encontrar todas as respostas sobre o procedimento neste artigo.

 

O que é a Biópsia de Fusão?

Como todos os exames do cancro da próstata, o objectivo deste procedimento é adquirir mais informação, o mais precisa e correcta possível, sobre o quadro clínico do paciente.

Mas a biópsia tem um papel mais relevante: é o único método que permite confirmar se existe ou não um tumor maligno, já que possibilita obter amostras de tecido prostático e analisá-lo.

Contudo, ainda que eficaz, a Biópsia convencional da próstata apresenta algumas limitações na detecção do cancro. Como só visualiza o órgão com recurso à ecografia, durante a realização do processo, a informação pode não ser suficientemente reveladora.

Neste sentido, a Biópsia Prostática de Fusão permite uma maior precisão. Porquê?

Porque sobrepõe a imagem da próstata conseguida por ecografia com as imagens adquiridas através de uma Ressonância Magnética Nuclear Multiparamétrica da Próstata - um dos exames mais avançados para avaliação prostática, que permite visualizar o órgão com mais detalhe, sensibilidade e rigor.

Desta forma, é possível identificar eventuais zonas suspeitas que requerem análise por biópsia, que podem não ser detectáveis só com ecografia.

Assim sendo, com este método de fusão entre os dois exames de imagem é possível saber:

  1. Se existe um nódulo;
  2. Qual a sua localização e extensão - útil para definir o tratamento e estadiamento do eventual cancro;
  3. Qual a gravidade provável do nódulo, ou seja, a maior ou menor suspeita do nódulo ser maligno.

 

Como é o procedimento?

Em primeiro lugar, é realizada previamente uma Ressonância Magnética Nuclear especial da próstata, designada multiparamétrica, um exame muito evoluído e sofisticado, onde um especialista analisa as imagens da próstata e marca as lesões consideradas suspeitas.

Depois, no dia da biópsia, a fusão entre as imagens da ecografia com as da Ressonância pode ser realizada de 3 formas:

  • “Cognitivamente”, actuando sobre as áreas identificadas e previamente estudadas, espacialmente, com recurso à ecografia;
  • Com um software específico que sobrepõe as imagens da ecografia e da Ressonância em tempo real, permitindo actuar mais precisamente;
  • Igualmente com sobreposição de ambas as imagens, mas utilizando adicionalmente um dispositivo especial, designado por template (que permite atribuir coordenadas às zonas do órgão) e um suporte robotizado para guiar a sonda.

Biopsia De Fusao No Diagnostico Do Cancro Da Prostata Destaque

O último método é o mais eficaz e aquele que permite a fusão das informações em tempo real e de forma mais precisa..

Neste caso, o procedimento da Biópsia realiza-se da seguinte forma:

  • Sob anestesia geral, é inserida uma sonda, por via rectal, por forma a visualizar todo o procedimento;
  • As imagens da ecografia (obtidas em tempo real através da sonda) e da Ressonância são sobrepostas, identificando de uma forma muito precisa as zonas onde biopsar (mesmo que tenham apenas poucos milímetros);
  • As agulhas de biópsia são inseridas através da zona perineal (entre o recto e o escroto), sendo com estas agulhas que são colhidos os fragmentos de tecido;
  • As agulhas são guiadas até às zonas suspeitas, de forma muito precisa, permitindo colher as amostras.

Como o paciente se encontra anestesiado, o médico pode ainda retirar amostras de toda a próstata e não só das zonas identificadas, num processo designado por Biópsia Sistemática (cerca de 12 fragmentos adicionais) ou de Saturação (mais completa, em que são retirados 40, 50 ou mais fragmentos do orgão). Desta forma, detecta-se se o cancro se estendeu eventualmente para regiões não identificadas previamente.

 

Razões que a tornam vantajosa para o Diagnóstico de Cancro

Beneficios Da Biopsia De Fusao

Já vimos que a Biópsia de Fusão da próstata é muito precisa e rigorosa. Mas em que medida isso beneficia o processo de diagnóstico e o quadro clínico do paciente?

Primeiro, como permite actuar directamente nas zonas suspeitas de tumor, a probabilidade de se diagnosticar o cancro, de uma forma mais eficaz e precisa, é muito maior.

Ou seja, mesmo retirando pouco tecido, diminui substancialmente a probabilidade de existirem falsos negativos, permitindo que os pacientes tenham mais segurança no resultado.

No caso da Biópsia convencional, como não se conhece a localização exacta das zonas suspeitas, as agulhas retiram amostras de tecido de forma mais aleatória, podendo ou não avaliar as zonas doentes.

É por isso que alguns estudos revelam que a eficiência da Biópsia de Fusão é substancialmente superior à da convencional – 70% contra 40%, respectivamente.

Além disso, devido à maior especificidade e consequente segurança no resultado, a necessidade de repetir o exame para encontrar informações relevantes, esclarecedoras e confiáveis, que acontece frequentemente com as Biópsias convencionais, é menor.

Exame Biopsia De Fusao 1

Mas há mais. Ainda que os tumores sejam mais vulgarmente encontrados na zona periférica da próstata, também podem estar noutras zonas da próstata, menos acessíveis com o método convencional.

Além de “escondidos”, podem ainda ser pequenos demais para serem identificados por ecografia.

Neste sentido, em virtude do rigor da Biópsia Prostática de Fusão, fruto das imagens da Ressonância, é possível identificar tumores em todas as zonas da próstata e de todos os tamanhos, mesmo os muito pequenos, de 5mm e menos.

Por último, a abordagem perineal utilizada na Biópsia de Fusão em tempo real tem ainda benefícios adicionais, já que permite direccionar as agulhas longitudinalmente, alcançando todas as áreas do órgão de forma precisa e diminui a incidência de infecções consequentes à biópsia. 

Tudo isto resulta num diagnóstico mais rigoroso, seguro e benéfico para o paciente, que fica a conhecer o seu real estado clínico com segurança.

 

Benefícios para o Tratamento

Nem todos os resultados da Biópsia são positivos para cancro da próstata.

Ainda assim, caso sejam, este método pode ser fundamental. Afinal, o diagnóstico é a chave para a definição da melhor estratégia terapêutica.

A Biópsia de Fusão da Próstata detecta de forma ainda mais eficaz os tumores de graus elevados, que já são notados nas imagens, pelo que este procedimento permite avançar para tratamento o mais rápido possível nos casos que o exigem, beneficiando o doente.

Toda a informação que este método permite obter favorece a definição do plano de tratamento.

Por outro lado, como a identificação de tumores de baixo grau é reduzida, com este procedimento evitam-se tratamentos desnecessários.

Afinal, os casos de cancro prostático pouco avançados nem sempre têm de ser tratados, sendo por vezes possível vigiar e monitorizar com frequência a evolução do mesmo. 

 

Descubra se pode realizar este exame

Graças à eficiência e evolução da técnica, as guidelines para realizar a Biópsia Prostática de Fusão, ou seja, as recomendações sobre quais os doentes que se podem/devem submeter a este exame, não são restritivas – o que pode acontecer é não ser indicada ou necessária para todas as situações clínicas.

Essa é uma das razões que fazem com que este método seja cada vez mais utilizado, principalmente nas seguintes situações:

 

Riscos e efeitos secundários da Biópsia de Fusão da Próstata

As Biópsias à próstata têm sempre a possibilidade de acarretar algumas complicações e consequências, nomeadamente quadros infecciosos.

Contudo, a Biópsia de Fusão apresenta menos risco de infecção, quando comparada com a tradicional – é outra das vantagens deste método.

O procedimento é realizado por via perineal e não transrectal, pelo que, além de um maior conforto para o paciente, que se encontra sedado, e menor sangramento, a possibilidade de contaminação que resulta em infecção após a Biópsia é também menor.

Metodo Perineal

Além do mais, a inserção das agulhas pelo eixo longitudinal também reduz o risco de lesões nas estruturas internas.

Isto significa que não exige muito tempo de recuperação, permitindo aos pacientes retomar, mais rapidamente, as actividades habituais. 

Algumas consequências habituais após uma Biópsia Prostática de Fusão:

  • Observar-se sangue na urina, nas fezes ou no esperma;
  • Infecções do aparelho urinário, próstata ou do epidídimo;
  • Retenção urinária.

Todos estes sintomas tendem a ser passageiros. Se forem persistentes, deve procurar um médico especialista. 

 

Após o exame, o que pode esperar?

Quando são retirados os fragmentos da próstata, o tecido é analisado histologicamente para confirmar ou negar a presença de células cancerígenas.

O resultado será conhecido dentro de alguns dias. 

Caso se confirme o quadro de cancro, será definido o melhor procedimento terapêutico consoante o quadro clínico (nomeadamente o toque rectal, o valor do PSA, as informações que a Ressonância permitiu obter, o resultado do exame histológico, o volume prostático, entre outros).

Atualmente, as técnicas disponíveis tendem a ser muito eficazes, como a Braquiterapia, por exemplo, no tratamento do cancro da próstata. Em certos casos, podem até combinar-se vários métodos.

 

Opte pela Biópsia de Fusão com profissionais experientes na técnica

Para que a Biópsia de Fusão da Próstata seja realmente útil e os resultados confiáveis, é essencial que seja realizada por profissionais especializados e experientes.

Trata-se de um exame para detectar um cancro da próstata que requer equipamento específico, domínio da técnica, precisão e conhecimentos para a análise da informação obtida.

Além do mais, como é relativamente recente, não é realizado em todos os centros.

Assim como acontece com outros procedimentos, o Instituto da Próstata foi um dos primeiros centros nacionais a efectuar estas Biópsias Prostáticas de Fusão.

Aliado a um amplo conhecimento sobre as directrizes de um processo de diagnóstico e sobre as patologias da próstata, incluindo o cancro, pode usufruir deste método de Biópsia com a máxima segurança e confiança.

Qualquer que seja o resultado, terá um acompanhamento atento, cuidadoso e próximo.

Marque uma consulta de diagnóstico e tire as suas dúvidas.

Dr. José Santos Dias

Director Clínico do Instituto da Próstata

  • Licenciado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa
  • Especialista em Urologia
  • Fellow do European Board of Urology
  • Autor dos livros "Tudo o que sempre quis saber Sobre Próstata", "Urologia fundamental na Prática Clínica", "Urologia em 10 minutos", "Casos Clínicos de Urologia" e "Protocolos de Urgência em Urologia"

Pedido de Marcação de Consulta