O que é a Bexiga Hiperactiva? Saiba se sofre deste problema

A bexiga hiperactiva é um dos problemas urológicos mais frequentes, que afeta tanto homens como mulheres e pode estar relacionada com  a incontinência urinária. 

Ainda que não represente risco de vida, não deve ser desvalorizada porque afeta, significamente, a qualidade de vida das pessoas. 

Neste artigo, vamos dar-lhe a conhecer mais sobre esta condição, para que possa identificar eventuais sintomas e consiga ultrapassá-la, contribuindo para a sua resolução.

 

Em que consiste a Bexiga Hiperactiva e como se manifesta?

Numa situação normal, quando a bexiga enche são enviados sinais nervosos para o cérebro, responsáveis por criar a necessidade de urinar.

Para iniciar a micção há duas forças que atuam em conjunto:

  1. Relaxamento do pavimento pélvico e do esfíncter; 
  2. Contracção do músculo da bexiga (detrusor) para expelir a urina.

Perante um quadro de bexiga hiperactiva, os músculos contraem de forma involuntária e espontânea, criando pressões elevadas no interior do órgão e a consequente necessidade de urinar - mesmo quando a bexiga não está cheia.

A ocorrência deste fenómeno provoca alguma sintomatologia recorrente, nomeadamente:

  • Vontade repentina, urgente e inadiável de urinar;
  • Urinar várias vezes de noite (noctúria);
  • Aumento da frequência miccional (urinar mais de 8 vezes por dia, segundo os especialistas).

Algumas pessoas que sofrem de hiperactividade da bexiga conseguem reter a urina tempo suficiente para chegar à casa de banho e esvaziar a bexiga. Quando isso não acontece, resulta em quadros de incontinência urinária (a pessoa acaba por perder urina nos momentos em que sente vontade súbita de urinar).

 

Origem do problema

Nem sempre é possível descobrir a causa que está na génese destes quadros clínicos.

Contudo, existem algumas condições que parecem contribuir para a hiperactividade da bexiga, aumentando o risco, entre as quais:

  • Infecções urinárias recorrentes;
  • Distúrbios neurológicos, nomeadamente esclerose múltipla ou AVC;
  • Alterações na bexiga (“pedras” ou tumores, por exemplo);
  • Alterações hormonais decorrentes da menopausa, no caso das mulheres;
  • Diabetes.

 

Impacto na qualidade de vida

Se sofre deste problema, não é caso único. Todos os pacientes sentem queixas semelhantes e  que limitam sobremaneira o seu bem-estar.

Primeiro, experimentam sentimentos de ansiedade perante a possibilidade de não encontrarem uma casa de banho a tempo, levando a que evitem sair de casa.

Na mesma medida, afecta a vida social e sexual. Os pacientes sentem necessidade de esconder o problema por vergonha e são perturbados durante o sono, quando interrompem o descanso para urinar.

A vida profissional também pode ser impactada negativamente, já que a necessidade frequente de urinar pode levar a várias interrupções das funções laborais.

 

Mitos e Factos sobre a Bexiga Hiperactiva

1. Não é uma consequência inevitável do envelhecimento

Envelhecer não significa perder obrigatoriamente a capacidade de reter a urina, embora seja mais comum em idades avançadas. Até a dormir, idealmente, o funcionamento do aparelho urinário deve assegurar essa capacidade. 

Não encare a situação com resignação. Procure especialistas e inicie o tratamento. 

2. Não é causada por nenhum esforço ou lesão do esfíncter

Existem outros tipos de incontinência, sendo que uma delas ocorre em consequência de um esforço físico, mas não é o caso da bexiga hiperactiva.

Quanto ao esfíncter, mesmo que não sofra alterações na sua capacidade, a pressão que é exercida pelos músculos da bexiga excede a sua força/capacidade, levando a uma vontade urgente de urinar. 

3. Não é irremediável

Se tem uma bexiga hiperactiva saiba que existe tratamento. Na verdade, tanto para os homens como para as mulheres, o prognóstico é muito encorajador.

 

O que fazer para controlar e tratar o problema da bexiga hiperativa?

As opções são variadas.

Primeiro, podem ser recomendadas algumas mudanças comportamentais, tais como:

Recomendacoes Para Controlar Bexiga Hiperativa

  • Evitar a cafeína, álcool e refrigerantes;
  • Manter um peso saudável;
  • Controlar doenças crónicas como a diabetes;
  • Definir horários para urinar para “treinar” a bexiga;
  • Ingerir líquidos na quantidade recomendada - em excesso pode agravar o problema, em falta causa a concentração da urina que provoca irritação do revestimento da bexiga;
  • Evitar alimentos picantes ou ácidos, entre outros.

O tratamento medicamentoso com fármacos que ajudam a corrigir a contracção anormal da bexiga também é uma opção recorrente.

É possível ainda promover a reabilitação pélvica para estimular a capacidade adequada de contracção e relaxamento, recorrendo a exercícios - como os de Kegel - que fortalecem os músculos, e a técnicas de eletroestimulação e biofeedback, que ajudam a aprender a controlar os músculos.

Em alguns casos, o problema pode ser resolvido com a administração de toxina botulínica (vulgarmente conhecida por “Botox”) na bexiga ou, em casos mais graves ou resistentes ao tratamento, com a colocação de um neuro-estimulador (uma espécie de pace-maker da bexiga).

Para cada situação existe uma solução adequada, que pode até passar pela combinação de várias medidas terapêuticas.

 

Dê o primeiro passo para uma vida livre de constrangimentos 

Realizar um diagnóstico adequado é o que vai permitir confirmar a presença de uma bexiga hiperativa, avaliar o problema e, por fim, delinear um plano de tratamento.

Geralmente, consiste na análise da história clínica, exame físico – toque rectal nos homens e exame ginecológico nas mulheres – e a realização de testes complementares.

Se os sintomas perturbam a sua vida, não adie mais a ida ao médico. Esclareça as suas dúvidas com os especialistas do Instituto da Próstata. É o primeiro passo para uma vida mais confortável e livre de perdas de urina.

Dr. José Santos Dias

Director Clínico do Instituto da Próstata

  • Licenciado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa
  • Especialista em Urologia
  • Fellow do European Board of Urology
  • Autor dos livros "Tudo o que sempre quis saber Sobre Próstata", "Urologia fundamental na Prática Clínica", "Urologia em 10 minutos", "Casos Clínicos de Urologia" e "Protocolos de Urgência em Urologia"

Artigos Relacionados

Dor na Próstata? Saiba o que pode significar

Sentir dor na próstata pode ser uma preocupação para qualquer homem. Afinal de contas, as patologias prostáticas estão entre as condições mais comuns no sexo masculino. Assim sendo, deve saber o que fazer em caso de dor e estar a par...

Próstata: o que é e qual a sua função?

Entre os órgãos do corpo humano que distinguem os homens das mulheres encontra-se a próstata, uma glândula complexa. Ainda que pequena e facilmente esquecida, tem um papel fundamental na qualidade de vida dos homens e muitas funções...

Conheça as Causas, Sintomas e Tratamentos do Cancro no Rim

O desenvolvimento de uma patologia nos rins, principalmente um cancro, exige toda a atenção e cuidados, uma vez que são órgãos fundamentais para o correcto funcionamento do nosso organismo. Assim, é importante reunir toda a...

Pedido de Marcação de Consulta