Biópsia de Fusão: o que esperar e como recuperar bem do procedimento

Se durante uma consulta o médico sugerir uma Biópsia Prostática de Fusão, é natural que se sinta apreensivo, mesmo que já tenha algumas informações sobre o procedimento e saiba que é essencial no diagnóstico do cancro prostático.

É normal surgirem dúvidas como: “O que acontece durante o exame?“, “Quais os riscos?“, “Irei sentir dor?“, “Como posso acelerar a recuperação?“.

Conhecer as respostas para estas questões permite eliminar ideias erradas que contribuem para aumentar o receio e a resistência à realização deste exame. Vamos desmistificá-las neste artigo.

 

Como se preparar para uma Biópsia de Fusão à Próstata? 


Instituto Da Prostata Recomendacoes Antes Da Biopsia Prostatica De Fusao

A preparação para o exame é simples. 

Na consulta que antecede a biópsia, deve partilhar todas as informações clínicas relevantes ao seu médico. Entre elas, o estado da sua saúde, condições ou patologias diagnosticadas e procedimentos médicos realizados anteriormente.

O mesmo com a medicação habitual. 

Alguns fármacos podem influenciar o resultado e efeitos do exame. Pode ter de deixar de os tomar durante alguns dias antes da biópsia. É o que acontece com a aspirina, outros anti-agregantes ou com os anticoagulantes, por exemplo. 

Geralmente o médico pode prescrever a toma de um antibiótico (a iniciar na véspera ou uns dias antes, ou por via intravenosa, no próprio dia) a fim de evitar infecções resultantes do procedimento.


Outra prática comum é a administração, na véspera e/ou no dia do exame, de substâncias para limpeza  intestinal/rectal - para que a visualização durante a biópsia seja a mais adequada.

Por último, lembre-se de ingerir refeições leves na véspera e no dia do exame. Quando este é efectuado com sedação ou anestesia geral, é necessário realizar um jejum de 6 horas, antes do procedimento.

Como a Biópsia de Fusão da Próstata envolve geralmente a administração de sedação ou anestesia geral é recomendável ficar acompanhado no dia do exame e durante as 24 horas seguintes, porque o efeito anestésico pode demorar algum tempo a desaparecer. 

 

Chegou o dia do Exame – o que pode esperar?

A realização da Biópsia da Próstata com fusão de imagens divide-se em duas etapas, realizadas em dias distintos: 

  1. Ressonância Magnética Nuclear Multiparamétrica da Próstata;
  2. Biópsia Prostática de Fusão, onde são recolhidas as amostras de tecido do órgão.

Comparando com a biópsia convencional, este é um método mais completo. Permite obter informações relevantes, não só quanto à presença ou não de tumor, mas também ao estadiamento e agressividade do mesmo, caso o diagnóstico se confirme.

Veremos o que pode esperar de ambas as etapas.

1. Ressonância Magnética Nuclear Multiparamétrica da Próstata

Este procedimento é realizado alguns dias ou até semanas antes da recolha dos fragmentos de tecido por biópsia.

Como se trata de uma ressonância, deve evitar objectos metálicos, como jóias ou relógios, ou peças de roupa com o mesmo material. 

Mas não se preocupe. O profissional que realiza o exame dar-lhe-á todas as indicações necessárias para a preparação e realização do mesmo. 


Em relação ao procedimento, exige muito pouco do doente: 

  • Ficar deitado de costas sobre uma marquesa/mesa deslizante, o mais imóvel possível. A marquesa e o paciente deslizam então para o interior de uma parte do aparelho, com uma forma tubular - o aparelho que possibilita a captação de imagens muito precisas da próstata e zonas adjacentes. 
  • De seguida, as mesmas imagens são analisadas pelo profissional em Imagiologia, identificando e assinalando as áreas suspeitas segundo uma escala própria.

Exame Ressonancia Multiparametrica Prostata 1

Carregue na imagem para saber mais

 

Ainda que seja um processo indolor, caso seja administrado um produto de contraste para facilitar a visualização das zonas suspeitas é normal que sinta um ligeiro ardor no braço.

Geralmente, é um procedimento rápido, que demora menos de 1 hora.

 

2. Biópsia Próstata de Fusão

Ainda que existam vários métodos para proceder à Biópsia Prostática de Fusão, o procedimento mais eficaz utiliza um equipamento e software próprios para sobrepor as imagens da Ressonância com as da Ecografia, obtidas no dia da Biópsia.

O procedimento inicia-se pela  inserção de uma sonda, devidamente esterilizada e lubrificada, por via trans-rectal. 

Depois, com o paciente deitado de costas e após a desinfecção de toda a zona, sobrepõem-se as imagens ecográficas obtidas a partir da referisa sonda com as da Ressonância, permitindo orientar a agulha até às zonas-alvo da próstata, retirando algumas amostras de tecido para análise posterior (imagem).

Biopsia Prostata De Fusao

Carregue na imagem para saber mais 

 

O procedimento demora entre 30 a 90 minutos. 

Porém, como o processo é geralmente realizado sob sedação ou anestesia geral, após a recolha dos fragmentos o doente é encaminhado para a sala de recuperação/recobro, onde permanece até que o efeito dos produtos anestésicos se desvaneça. 

Como esta intervenção pode causar inchaço na próstata e, consequentemente, prejudicar a passagem da urina desde a bexiga até ao exterior, é natural que só tenha alta depois de conseguir urinar - de forma a eliminar a hipótese de qualquer problema.

 

O medo da dor durante o Tratamento

Este é um dos receios mais comuns associados a este procedimento. Seja pelo medo da inserção da sonda no recto ou pela recolha das amostras de tecido pelo períneo.

É verdade que, em certos casos, o exame pode provocar algum desconforto. 

Mas de acordo com alguns estudos recentes, a Biópsia de Fusão à próstata causa um desconforto ou dor igual ou menor ao do método tradicional.

Com o passar do tempo, os procedimentos médicos evoluem, tanto a nível de eficácia como de conforto para o paciente.

Hoje, especialmente com a técnica de fusão, é possível submeter-se ao procedimento sem sentir qualquer sensação incómodp, já que estará sob efeito de anestesia geral. 

 

O que acontece e pode sentir após o exame?

Além de poderem sentir alguma dor, há outros receios que afligem os doentes, entre eles, a hipótese de sofrerem com efeitos secundários e de estes se prolongarem no tempo. 

Nas primeiras horas após a intervenção, é normal sentir uma dor ligeira e inchaço na zona do períneo, além de uma sensação de cansaço geral.

Há ainda outros efeitos comuns da Biópsia Prostática de Fusão, embora sejam temporários: 

  • Sangramento ou nódoa negra  na zona intervencionada;
  • Ardor miccional – até 1 semana;
  • Aumento da frequência miccional – melhora ao fim de 24h a 36h;
  • Sangramento/hemorragia na urina e/ou sémen – até 1 a 2 semanas;
  • Hemorragia nas fezes – nos primeiros dias;
  • Desconforto na próstata – nos primeiros dias, especialmente quando está sentado;
  • Disfunção eréctil – muito raro, mas quando ocorre melhora rapidamente.

Além destes efeitos, podem existir infecções na próstata ou no aparelho urinário, embora sejam menos comuns neste método, em relação à biópsia clássica, já que a intervenção é feita pelo períneo e não pelo recto, onde a probabilidade de contaminação é maior.

Todavia, os efeitos afectam cada homem de forma diferente. 

 

Quando contactar o médico?

Instituto Da Prostataquando Deve Consultar O Seu Medico

Ainda que os efeitos colaterais da Biópsia de Fusão tendam a ser pouco relevantes, se forem significativos, muito marcados, devem ser sinalizados. Se o paciente não reportar estes efeitos ao seu médico, podem tornar-se mais graves (e mesmo fatais). 

É o caso das infecções. 

Se não forem tratadas de imediato, podem evoluir para estados mais graves e generalizados. O doente deve pedir ajuda se sentir febre alta, calafrios ou outros sintomas semelhantes a uma gripe, alguns dias após o procedimento.

Além disso, procure ajuda do seu médico em caso de:

  • Hemorragia nas fezes com coágulos;
  • Hematúria (hemorragia na urina) abundante;
  • Sangramento local sem alívio após uma semana;
  • Dor local intensa ou que não melhora/desaparece.

A recomendação é a mesma caso sofra de retenção urinária - fruto do inchaço da próstata que pode ocorrer após a biópsia. Embora esta incapacidade urinária seja temporária, exige a colocação de um catéter para salvaguardar a capacidade de expulsar a urina.

 

Como garantir uma recuperação rápida e eficaz? 

Após a Biópsia de Fusão, os pacientes retomam as actividades normais rapidamente. E quanto melhor for o estado de saúde geral, mais breve será a recuperação.

É fundamental seguir as recomendações do médico no período pós-procedimento, entre elas: 

  • Tomar o antibiótico durante o período recomendado pelo seu médico;
  • Beber muitos líquidos para prevenir a formação de coágulos e infecções;
  • Evitar bebidas alcoólicas até terminar o antibiótico;
  • Evitar esforços e exercício físico extenuante na primeira semana;
  • Tomar eventualmente analgésicos/anti-piréticos para atenuar eventuais queixas de dor ou febre, segundo recomendação do médico; 
  • Evitar actividade sexual nos primeiros dias.

Se o doente cumprir, com rigor estas recomendações, beneficia a sua própria recuperação. Rapidamente, poderá retomar a vida diária sem quaisquer constrangimentos. 

 

A Biópsia Prostática de Fusão deve ser realizada por profissionais experientes

Mais do que estar informado sobre o processo da Biópsia de Fusão, é fundamental que essa informação seja fidedigna. Exponha as suas dúvidas e receios ao médico, pois este saberá esclarecê-lo.

É importante também escolher um centro especializado, capacitado com profissionais experientes nesta técnica e que recorra às tecnologias mais recentes e evoluídas. Estes factores combinados, contribuem para a assertividade do diagnóstico e minimizam os efeitos secundários. 

No Instituto da Próstata aliamos a tecnologia ao conhecimento médico especializado. Se necessita realizar uma biópsia prostática de fusão, fale connosco primeiro.

Dr. José Santos Dias

Director Clínico do Instituto da Próstata

  • Licenciado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa
  • Especialista em Urologia
  • Fellow do European Board of Urology
  • Autor dos livros "Tudo o que sempre quis saber Sobre Próstata", "Urologia fundamental na Prática Clínica", "Urologia em 10 minutos", "Casos Clínicos de Urologia" e "Protocolos de Urgência em Urologia"

Artigos Relacionados

Crioterapia para o Cancro da Próstata preserva função urinária

Quando se diagnostica um cancro da próstata, o objectivo principal é eliminar, definitivamente, o tumor e curar o paciente.  Mas com o desenvolvimento de diferentes técnicas de tratamento, a esta necessidade junta-se outra muito relevante: preservar ao...

Biópsia de Fusão: o que esperar e como recuperar bem do procedimento

Se durante uma consulta o médico sugerir uma Biópsia Prostática de Fusão, é natural que se sinta apreensivo, mesmo que já tenha algumas informações sobre o procedimento e saiba que é essencial no diagnóstico do...

Recidiva do Cancro do Rim: é comum?

É normal sentir alívio ao terminar o tratamento para um cancro no rim. Ainda assim, é igualmente natural preocupar-se com a hipótese de o problema poder voltar. Ninguém quer passar pelo mesmo processo outra vez e voltar a experimentar sentimentos de...

Pedido de Marcação de Consulta