Sintomas do Cancro da Próstata

O cancro da próstata pode provocar exactamente os mesmos sintomas que o aumento benigno deste orgão (ver “Sintomas de aumento benigno da próstata).

No entanto, e ainda mais importante, pode evoluir silenciosamente, sem provocar quaisquer queixas, sem qualquer manifestação. Por isso é que é recomendado que se faça uma avaliação regular com o Médico Assistente ou o Urologista, para despistar esta doença mesmo antes de provocar quaisquer sintomas.

Se o tumor provoca sintomas semelhantes ao aumento benigno da próstata, por exemplo dor ou dificuldades miccionais, é porque, muito provavelmente já está muito avançado, localmente. Por outro lado, pode provocar sintomas noutros orgãos, longe da próstata, por já se ter disseminado (“espalhado”) pelo organismo, dando origem a metástases nos ossos ou noutros locais (ver “Sintomas do cancro da próstata metastizado”).

No Instituto da Próstata e Incontinência Urinária, os doentes têm a garantia de que a avaliação dos seus sintomas, bem como o tratamento e o seguimento de cada caso, é feito por Urologistas com vasta experiência no diagnóstico e tratamento precoces do cancro deste orgão (bem como na abordagem e tratamento de casos mais avançados), assegurando que o tratamento efectuado se adequa à sua situação clínica específica, cumpre os mais rigorosos standards de qualidade e está de acordo com os guidelines (linhas de orientação) recomendados pela Associação Americana de Urologia e pela Associação Europeia de Urologia.

CANCRO DA PRÓSTATA ASSINTOMÁTICO

Muito frequentemente o cancro da próstata evolui de uma forma assintomática, totalmente silenciosa. É, por isso, recomendada a realização de uma avaliação anual através do toque rectal e análises, para excluir a presença desta doença, mesmo quando ainda não produz quaisquer sintomas. O objectivo é realizar um diagnóstico o mais precoce possível, de modo a poder efectuar-se, nos casos em que está recomendado, um tratamento com intuitos curativos, isto é, para tentar curar, debelar a doença. A idade a partir da qual está recomendada esta avaliação é objecto de debate e alguma controvérsia. Até há relativamente pouco tempo, a idade “standard” para iniciar esta avaliação era 50 anos (45 anos para os casos em que existisse história familiar relevante da doença). Desde 2009, as recomendações da Associação Americana de Urologia (AUA) vão no sentido de iniciar esta avaliação aos 40 anos, com uma avaliação do PSA “de base”.

SINTOMAS URINÁRIOS DO CANCRO DA PRÓSTATA

Como acima referido, o cancro da próstata pode provocar exactamente os mesmos sintomas que o aumento benigno deste orgão. Em relação aos sintomas urinários que o cancro pode provocar, pelo aumento local do tumor, consultar a secção “Sintomas de HBP (aumento benigno da próstata)”.

SINTOMAS DO CANCRO DA PRÓSTATA METASTIZADO

Em muitos casos, a primeira manifestação da doença é uma complicação grave. Pode provocar sintomas causados pela invasão local pelo tumor, com dor ou dificuldades miccionais (se o tumor causa este tipo de queixas é porque, muito provavelmente já está muito avançado localmente) ou porque já se disseminou (“espalhou”) pelo organismo, dando origem a metástases nos ossos ou noutros locais.

Os sintomas de cancro metastizado são os sintomas causados disseminação do tumor pelo organismo. Podem resultar de alterações do funcionamento dos orgãos atingidos, da “ocupação” de espaço e expansão das metástases nestes orgãos e/ou por compressão de estruturas importantes e sensíveis por estas lesões (por exemplo compressão da medula por metástases ósseas nas vértebras lombares, um dos locais mais frequentes de metástases do cancro da próstata) ou ainda da libertação de alguns produtos pelas próprias células do tumor, resultando em sintomas sistémicos (como, entre outros, fraqueza, cansaço ou anemia).

Os sintomas mais frequentes de cancro avançado da próstata são as dores lombares, dores ósseas noutras localizações, emagrecimento, fadiga, fraqueza e cansaço – muitas vezes consequência de anemia, frequente nestes doentes.

Tardiamente, podem surgir sintomas de compressão da medula, causados por metástases nas vértebras (geralmente com dor lombar intensa) ou por fracturas ósseas patológicas, ou seja, fracturas ósseas que surgem em consequência das metástases ósseas, que tornam os ossos mais frágeis.

Podem ainda, embora em casos mais raros, surgir sintomas resultantes de metástases em gânglios à distância do tumor ou noutros orgãos, como o cérebro, o fígado ou o pulmão, entre outros.