Indicações para cirurgia (HBP, Cancro)

Cancro da Próstata

A cirurgia está indicada nos casos de cancro da próstata localizados, ou seja, nos casos em que o tumor se encontra, ainda, no interior deste orgão, confinado à próstata. A cirurgia pode ser efectuada por via “aberta”, clássica, ou por via laparoscópica. Nos casos de cancro da próstata localizado existem tratamentos alternativos à cirurgia, que podem ser efectuados em algumas situações (não em todos os casos), como a braquiterapia, a radioterapia ou outros (ver “Tratamento do cancro da próstata”).

Hiperplastia Benigna da Próstata

INDICAÇÕES ABSOLUTAS PARA CIRURGIA EM CASOS DE HBP (AUMENTO BENIGNO DA PRÓSTATA):

  1. Retenção urinária aguda recorrente. Ou seja, o doente fica repetidas vezes em retenção urinária (com a “urina presa”). A maioria dos autores defende que a cirurgia não se deve realizar imediatamente após o episódio agudo. Os riscos cirúrgicos são menores se se esperar alguns dias ou mesmo semanas (nos casos em que existe insuficiência renal, isto é, se os rins não estiverem a funcionar correctamente), mantendo-se o doente algaliado. Em algumas situações, é possível retirar a agália, fazendo um tratamento com medicamentos adequados mas, mesmo nestes casos, a cirurgia é necessária e inadiável.
  2. Infecções urinárias (prostatites, cistites, pielonefrites) de repetição.
  3. Hematúria (ou seja, sangue na urina) persistente ou recorrente, resistente à terapêutica com medicamentos.
  4. Dilatação do aparelho urinário superior com deterioração da função renal.
  5. Litíase (cálculos, vulgo “pedras”) na bexiga.

INDICAÇÕES RELATIVAS PARA CIRURGIA EM CASOS DE HBP:

  1. Na presença de sintomas marcados (designados por LUTS) com interferência franca na qualidade de vida e que não melhoram com a terapêutica médica, a cirurgia é também necessária.
  2. Opção ou preferência do doente – o doente pode manifestar a vontade expressa numa atitude mais interventiva, em relação à toma contínua, durante anos, de fármacos para a próstata. É uma opção individual, razoável e, possivlemente, mais eficaz em termos de melhoria da qualidade de vida, rápida resolução dos sintomas causados pela próstata e no evitar da progressão da doença e das suas possíveis complicações.
  3. Presença de divertículos volumosos ou sintomáticos (pequenas “saculações” da bexiga, procidentes na parede deste orgão), podendo contribuir para a existência de elevado resíduo pós-miccional (urina retida na bexiga após a micção) e eventualmente para o risco de infecções urinárias e cálculos vesicais, pela estase (estagnação) de urina que podem causar.