Crioterapia da Próstata

Esta técnica era, até há relativamente pouco tempo, preconizada apenas para tumores localmente avançados ou para ser realizada apenas após falência de outras técnicas, por exemplo quando ocorria uma recidiva local (após cirurgia, radioterapia ou braquiterapia).

No entanto, dada a eficácia demonstrada e os bons resultados obtidos, as indicações estenderam-se aos tumores localizados, sendo actualmente uma das técnicas cuja utilização é preconizada nos Guidelines da associação americana de Urologia e da Associação Europeia de Urologia para tumores localizados da próstata.

Sob um controle em tempo real efectuado por ecografia e com recurso a um equipamento e software sofisticados, inserem-se sondas (“agulhas”) por via perineal, na zona entre o escroto e o ânus, sob anestesia geral. Na extremidade destas agulhas, criam-se temperaturas extremamente baixas, gerando mesmo “bolas” de gelo. Sabendo-se que as células tumorais são mais sensíveis à congelação, é possível destruir estas células tumorais pelo frio.

Recentemente, surgiu o conceito de terapêutica focal para o cancro da próstata, técnica em que se trata apenas uma parte do orgão. Este conceito parte duma premissa que não é válida para grande parte dos cancros da próstata – a de que o tumor é unifocal, ou seja, está apenas localizado a uma parte do orgão. Com efeito, é sabido que em muitos casos o tumor da próstata é, na altura do diagnóstico, multifocal. Assim, para se poder tratar apenas uma parte do orgão é necessário “garantir”, com um elevado grau de probabilidade, que o tumor se localiza apenas numa pequena parte do orgão. Para tal, é necessário efectuar a chamada “biópsia de saturação”, em que se efectua uma biópsia padronizada em que se retiram com 25, 30, 40 ou mais fragmentos, dependendo do volume da próstata. Esta biópsia tem de ser efectuada sob anestesia geral (ver “Biópsia da Próstata”).

A terapêutica focal pode ser efectuada com Crioterapia ou com HIFU (ver “HIFU”).

A vantagem de tratar apenas uma parte da próstata é actualmente, e por enquanto, bastante polémica. As vantagens referidas consistem basicamente na redução dos efeitos secundários.

Outras modalidades terapêuticas :

  1. Cirurgia, designada por Prostatectomia Radical, que pode ser realizada da forma clássica (cirurgia “aberta”) ou por via laparoscópica
  2. Braquiterapia
  3. Radioterapia Externa