Complicações do aumento de volume da próstata

O aumento de volume da próstata pode levar a complicações relacionadas com a bexiga ou os rins. A presença destas complicações quer dizer que estes doentes devem ser, obrigatoriamente, operados à próstata. São as chamadas indicações absolutas para cirurgia e que são cinco:

  1. Retenção urinária aguda recidivante. Ou seja, o doente fica recorerntemente em retenção urinária (“urina presa”). A maioria dos autores defende que a cirurgia não se deve realizar imediatamente após o episódio agudo. Os riscos cirúrgicos são menores se se esperarem algumas semanas, mantendo-se o doente algaliado ou (de preferência e se possível), sem algália
  2. Infecções urinárias (prostatites, cistites, pielonefrites) de repetição
  3. Hematúria macroscópica (sangue na urina, visível a olho nu), resistente à terapêutica com medicamentos e persistente ou recorrente
  4. Dilatação do aparelho urinário superior com deterioração da função renal
  5. Litíase (cálculos, vulgo “pedras”) na bexiga

Na presença de sintomas marcados (designados por LUTS) com interferência franca na qualidade de vida e refractários à terapêutica médica, a melhor solução é, também, a terapêutica cirúrgica. Constitui o que é designado por indicação relativa para cirurgia. Um outro motivo para cirurgia é a opção ou preferência do doente. Nalguns casos, o doente manifesta a vontade expressa numa atitude mais interventiva, por preferência em relação à toma contínua, durante anos, de fármacos para a próstata, o que é uma opção individual e razoável. Constitui também o que se designa como uma indicação relativa para cirurgia. A presença de divertículos (pequenas “saculações” da bexiga, procidentes na parede deste orgão) volumosos ou sintomáticos são também uma indicação relativa para a realização de cirurgia.